Assembleia Municipal de Lisboa
Voto 05/112 (BE) - Saudação - Contra a Precariedade nos Call Center da EDP/Ranstad
28-06-2016

Agendado: 112ª reunião, 28 de Junho de 2016
Debatido e votado: 28 de Junho de 2016
Resultado da Votação: Aprovado por Maioria com a seguinte votação: Favor: PS/ PCP/ BE/ PEV/PAN/ PNPN/ 6 IND - Abstenção: PSD/ CDS-PP/ MPT
Passou a Deliberação: 196/AML/2016
Publicação em BM: 1º Suplemento ao BM nº 1175

CONTRA A PRECARIEDADE NOS CALL CENTRE DA EDP/RANDSTAD

Considerando que:
i. Os trabalhadores e as trabalhadoras da Randstad da operação de call center da EDP estiveram em greve segunda e terça-feira, 20 e 21 de junho. Após anos de reivindicação por um aumento salarial digno, o último caderno reivindicativo pedia um aumento de 30€ por mês, 1€ por dia;

ii. Em resposta, a Randstad ofereceu um aumento de 1€ por mês, o equivalente a, sensivelmente, 3 cêntimos por dia. Esta atitude foi vista como uma afronta aos trabalhadores e trabalhadoras: com salários que variam entre o salário mínimo e 658€, condições de trabalho que têm piorado, postos de trabalho ameaçados de forma permanente, trabalhadores e trabalhadoras há 10 ou mais anos a trabalhar no mesmo projeto, a EDP;

iii. No dia 20 de junho os trabalhadores e trabalhadoras estiveram concentradas frente à sede da Randstad, em Lisboa, numa das maiores demonstrações deste sector, por isso deve ser valorizada uma luta tão corajosa, num setor tão precário como este, um exemplo para lutas futuras;

iv. A cidade de Lisboa alberga, hoje, dos maiores centros de call centres em Portugal (só da EDP, são perto de 1500 trabalhadores e trabalhadoras), com regimes laborais precários e que necessitam de soluções urgentes.

v. As empresas de trabalho temporário têm sido o veículo privilegiado para as grandes empresas generalizarem a precariedade laboral;

vi. Os lucros da EDP crescem ano após ano, justificando assim o incomensurável salário do seu presidente, António Mexia, que foi recentemente aumentado para cerca de 7 mil euros por dia;

Assim, a Assembleia Municipal de Lisboa, reunida a 28 de Junho de 2016, ao abrigo do artigo 25.º, n.º 2, alíneas j) e k) do Anexo I da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, delibera:

1.saudar a luta dos trabalhadores e trabalhadoras dos call centres da EDP/Randstad que afirmaram, no dia 20 de junho, a defesa da dignidade no trabalho e dos salários, pela melhoria das condições de trabalho e por um aumento salarial digno.
A Assembleia Municipal de Lisboa delibera ainda remeter a presente moção para:
• Todos os partidos representados na Assembleia da República;
• Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas;
• Administração da EDP;
• Randstad;

Lisboa, 24 de Junho de 2016,
As Deputadas e os Deputados Municipais eleitos pelo Bloco de Esquerda

Documentos
Documento em formato application/pdf Voto 05/112 (BE)78 Kb