Assembleia Municipal de Lisboa
*
Orçamento Participativo 2015 - 5 de Outubro e 15 de Novembro
Lisboetas querem mais parques e reabilitação urbana
30-09-2015 Inês Banha, DN
Lisboa é de todos, participe!

A fase de votação nos Projectos do Orçamento Participativo de Lisboa 2015 já se iniciou, com 189 projectos em votação. Aqui fica o link para que participe, e um apanhado do que os Lisboetas querem para a sua cidade.

Na Mouraria, a centenária Igreja de São Cristóvão entrou, neste verão, no mapa do património artístico a não deixar de visitar em Lisboa. Na Startup Lisboa, uma incubadora de empresas instalada em plena Baixa Pombalina, desde o início do mês que 15 jovens licenciados trocaram o desemprego por um curso de programação que inclui um estágio pago após a formação. Foram estes os dois primeiros projectos dos 13 escolhidos o ano passado pelos lisboetas para serem obrigatoriamente executados pela câmara municipal (CML). Ideias que saíram do papel e engrossaram uma lista que inclui, de edições anteriores, a construção de ciclovias ou a última fase da construção do canil/gatil da capital, entretanto rebaptizado de Casa dos Animais. Este ano, há cerca de 190 ideias a concurso, a maioria das quais para criação de parques e jardins e alterações no espaço público. A votação começou segunda-feira e pode ser feita online ou através de SMS gratuita.

É já uma tradição: com a chegada do outono, chega também o momento de eleger as propostas que a CML terá de concretizar. A lista das ideias em concurso nesta 8.ª edição é ainda provisória, mas pode já ser consultada em www.lisboaparticipa.pt e, tal como tem sido habitual, voltam a ser os espaços verdes e públicos a centrar atenções, com 80 iniciativas. A mobilidade (38), a reabilitação e requalificação urbana (20) e a educação, juventude e desporto (18) são as áreas que se seguem. Já a nível de freguesias, é a Estrela que lidera, enquanto para a Ajuda e para Santa Clara não é pedida qualquer intervenção. A maioria está, ainda assim, por definir (26). Outras 18 decorrerão, caso os munícipes assim o desejem, por toda a cidade.

Os projectos que estão em votação entre 5 de Outubro e 15 de Novembro resultam de 481 propostas apresentadas e surgem depois de os serviços camarários terem avaliado a viabilidade das ideias. O facto de serem iniciativas demasiado genéricas - ainda que, durante a fase de reclamações, seja possível prestar esclarecimentos adicionais -, de incidirem sobre propriedade privada e de não serem da competência da autarquia - como as que se referem a transportes públicos - são alguns dos critérios que ditam a sua exclusão. Não há um número limite de projectos eleitos - serão tantos quanto o investimento máximo de 2,5 milhões de euros permitir.